Ômicron é cepa que sobrevive por mais tempo em plástico e pele, aponta estudo

 

Lavar as mãos ainda é uma ótima estratégia para matar o vírus em poucos segundos

Pesquisadores da Universidade de Medicina da Prefeitura de Kyoto, no Japão, encontraram evidências de que a variante Ômicron sobrevive por mais tempo na pele humana e em superfícies plásticas do que as versões anteriores do novo coronavírus.

Os dados do estudo foram publicados na plataforma bioRxiv. Eles ainda precisam passar pela revisão de pares antes de serem publicados em uma revista científica.

Testes feitos em laboratório, em condições adequadas para estudo, mostraram que a Ômicron pode permanecer ativa no plástico por até 193,5 horas, ou seja, aproximadamente, oito dias.

Enquanto a Ômicron sobrevive por 21,1 horas, os tempos de atividade da versão original, Alpha, Beta, Gamma e Delta são de: 8,6 horas, 19,6 horas, 19,1, 11 horas, e 16,8 horas, respectivamente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*